Estigma e preconceito com casais sorodiferentes para o HIV

Valéria Gomes Fernandes da Silva, Maria Aparecida Alves de Oliveira Serra, Mônica Cristina Ribeiro Alexandre D Auria de Lima, Carlos Jordão de Assis Silva, Francisco Arnoldo Nunes de Miranda, Rejane Maria Paiva de Menezes

Resumo

O objetivo consiste em identificar o estigma e preconceito vivenciado por casais sorodiferentes para o vírus da imunodeficiência humana. Estudo descritivo, exploratório com abordagem qualitativa e submetido a análise de conteúdo temática, em que se utilizou de uma entrevista semiestruturada, em janeiro a fevereiro de 2016, com 11 participantes, acompanhados em um serviço de atenção especializada em infecções sexualmente transmissíveis, vivendo relação afetivo/sexual com parceiro sorodiferente. A análise temática, originou duas categorias temáticas: - os cenários do preconceito na sorodiferença e, o sigilo do diagnóstico na proteção contra o estigma. Os parceiros envolvidos com a sorodiferença, ainda vivenciam no âmbito dos relacionamentos, o preconceito e estigma, envolvendo tanto familiares, quanto profissionais dos serviços de saúde. Percebe-se que as dificuldades vivenciadas, não se configuram como dilemas ultrapassados no combate a problemática do vírus, daí ser preciso urgentemente a ampliação dos espaços sociais ou fóruns de discussões sobre a problemática.

Descritores: Vírus da Imunodeficiência Humana, Preconceito, Estigma Social, Serviços de Saúde.

 

Stigma and prejudice with HIV serologic-differents diagnosis couples

Abstract: The objective is to identify the stigma and prejudice experienced by serologic-different couples for the human immunodeficiency virus. A descriptive, exploratory study with a qualitative approach and submitted to thematic content analysis, in which a semi-structured interview was used, in January to February 2016, with 11 participants, accompanied in specialized care service for sexually transmitted infections, experiencing an affective relationship / sexual with a serologic-different partner. The thematic analysis gave rise to two thematic categories: - the scenarios of prejudice in serologic-different and, the secrecy of the diagnosis in protection against stigma. Partners involved in serologic-difference still experience prejudice and stigma in the realm of relationships, involving both family members and health service professionals. It is noticed that the difficulties experienced are not configured as dilemmas overcome in the fight against the problem of the virus, hence there is an urgent need to expand the social spaces or forums for discussions about the problem.

Descriptors: Human Immunodeficiency Vírus, Preconception. Social Stigma, Health Services.

 

Estigma y prejuicio en parejas serodiferentes al VIH

Resumen: El objetivo es identificar el estigma y prejuicio que experimentan las parejas serodiferentes por el virus de la inmunodeficiencia humana. Estudio descriptivo, exploratorio con abordaje cualitativo y sometido a análisis de contenido temático, en que se utilizó una entrevista semiestructurada, de enero a febrero de 2016, con 11 participantes, acompañados en un servicio de atención especializada en infecciones de transmisión sexual, viviendo relación afectiva/sexual con una pareja serodiferente. El análisis temático dio lugar a dos categorías temáticas: - los escenarios de prejuicio en la serodiferencia y el secreto del diagnóstico en la protección contra el estigma. Los socios involucrados en la serodiferencia aún experimentan prejuicios y estigmas en el ámbito de las relaciones, que involucran tanto a miembros de la familia como a profesionales de los servicios de salud. Se nota que las dificultades vividas no se configuran como dilemas superados en la lucha contra la problemática del virus, de ahí la urgente necesidad de ampliar los espacios sociales o foros de discusión sobre la problemática.

Descriptores: Virus de Inmunodeficiencia Humana, Prejuicio, Estigma Social, Servicios de Salud.

Texto completo:

PDF

Referências

Coutinho MFC, O'Dwyer G, Frossard V. Tratamento antirretroviral: adesão e a influência da depressão em usuários com HIV/AIDS atendidos na atenção primária. Saúde Debate. 2018; 42(116):148-61.

Hipolito RL, Oliveira DC, Costa TL, Marques SC, Pereira ER, Gomes AMT. Quality of life of people living with HIV/AIDS: temporal, socio-demographic and perceived health relationship. Rev Latino Am Enferm. 2017; 25:e2874.

Menezes AMF, Almeida KT, Nascimento AKA, Dias GCM, Nascimento JC. Perfil epidemiológico das pessoas soropositivas para HIV/AIDS. Rev Enferm UFPE Online. 2018; 12(5):1225-32.

Grangeiro A, Ferraz D, Calazans G, Zucchi EM, Díaz-Bermúdez XP. O efeito dos métodos preventivos na redução do risco de infecção pelo HIV nas relações sexuais e seu potencial impacto em âmbito populacional: uma revisão da literatura. Rev Bras Epidemiol. 2015; 18(Suppl.1):43-62.

Silva LAV, Duarte FM, Lima M. Modelo matemático pra uma coisa que não é matemática: narrativas de médicos/as infectologistas sobre carga viral indetectável e intransmissibilidade do HIV. Physis: Rev Saúde Coletiva. 2020; 30(1):e300105.

Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Vigilância em Saúde. Departamento de Vigilância, Prevenção e Controle das Infecções Sexualmente Transmissíveis, do HIV/Aids e das Hepatites Virais. NOTA INFORMATIVA Nº 5/2019 - DIAHV/SVS/MS. Brasília: Ministério da Saúde, 2019. Disponível em: . Acesso em 29 set 2020.

Souza Neto VL; Silva BCO; Rodrigues IDCV, Costa CS, Mendonça AEO, Negreiros RV. Sorodiscordância na atenção às pessoas com HIV/AIDS: implicações para o enfermeiro. Rev Pesqui. (Univ. Fed. Estado Rio J., Online). 2016; 8(4):5184-92.

Fernandes NM, Hennington EA, Bernardes JS, Grinsztejn BG. Vulnerabilidade à infecção do HIV entre casais sorodiscordantes no Rio de Janeiro, Brasil. Cad Saúde Pública. 2017; 33(4):e00053415.

Albuquerque JR, Batista ATB, Saldanha AAW. O fenômeno do preconceito nos relacionamentos sorodiferentes para o HIV/AIDS. Psicol Saúde Doenças. 2018; 19(2):405-21.

Florom-Smith AL, De Santis JP. Exploring the Concept of HIV-Related Stigma. Nurs Forum. 2012; 47:153-65.

Said AP, Seidl EMF. Serodiscordance and prevention of HIV: perceptions of individuals in stable and non-stable relationships. Interface (Botucatu). 2015; 19(54):467-78.

Bardin L. Análise de conteúdo. São Paulo: Edições 70. 2011.

Minayo MCS. O desafio do conhecimento: pesquisa qualitativa em saúde. 13. ed. São Paulo: Hucitec. 2013.

Bazzi AR, Leech AA, Biancarelli DL, Sullivan M, Drainoni ML. Experiences Using Pre-Exposure Prophylaxis for Safer Conception Among HIV Serodiscordant Heterosexual Couples in the United States. AIDS Patient Care STDS. 2017; 31(8):348-55.

Jesus GJ, Oliveira LB, Caliari JS, Queiroz AAFL, Gir E, Reis RK. Dificuldades do viver com HIV/Aids: Entraves na qualidade de vida. Acta Paul Enferm. 2017; 30(3):301-07.

Siegel K, Meunier E, Lekas HM. The experience and management of HIV stigma among HIV-negative adults in heterosexual serodiscordant relationships in New York City. AIDS Care. 2018; 30(7):871-78.

Martins AA, Honorato EJS, Silva TA, Lemos SM, Ferreira DS, Reis MG. Percepções de graduandos em saúde sobre relacionamentos sorodiscordantes para o HIV/AIDS. Saúde Redes. 2018; 4(2):71-84.

Silva FMV, Senna SMM, Linhares FMP, Abrão FMS, Guedes TG. O ser - com-o-outro na condição sorodiscordante: uma abordagem fenomenológica da vulnerabilidade individual ao HIV. Rev Eletr Enferm. 2018; 20:v20a07.

Silva AM, Camargo Junior KR. A invisibilidade da sorodiscordância na atenção às pessoas com HIV/AIDS. Ciên Saúde Colet. 2011; 16(12):4865-74.

Kim J, Nanfuka M, Moore D, Shafic M, Nyonyitono M, Birungi J, et al. People say that we are already dead much as we can still walk': a qualitative investigation of community and couples' understanding of HIV serodiscordance in rural Uganda. BMC Infect Dis. 2016; 16(665).


Visualizações do PDF:

49 views


Visualizações do Resumo:

133 views

Apontamentos

  • Não há apontamentos.
Copyright: ©-2014 Revista Recien - Revista Científica de Enfermagem. Todos os direitos reservados.
Tema: Mason Publishing Group. Customizado por: Articloud